Social media:   fb  twitter  yt  slideshare
 ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed
03/05/17

Tragédia de Mariana é destaque no EcoSP

Evento foi realizado pelos engenheiros de São Paulo e apresentou diversas palestras que tratam das boas práticas ambientais.

O VIII Encontro Ambiental de São Paulo (EcoSP) finalizou as atividades na tarde do dia 28 de abril último, com palestras sobre os plásticos e suas contribuições à sociedade; as aves da Mata Atlântica e os impactos ambientais da tragédias de Mariana (MG). O coordenador do evento, o vice-presidente do SEESP Carlos Alberto Guimarães Garcez, avaliou os dois dias do encontro como positivos à discussão premente sobre a sustentabilidade em todas as atividades produtivas.

Considerado um dos vilões do meio ambiente, o plástico foi tema da apresentação de Miguel Bahiense, da empresa Plastivida. “Meu desafio é falar que o plástico traz benefícios, e digo isso levando em conta comprovações científicas”, salientou. Para ele, as críticas que se fazem ao material são feitas sem conhecimento de causa e destacou: “O plástico é uma ferramenta importante para o desenvolvimento sustentável.”

Um dos problemas enfrentados pelo material – que vem das resinas derivadas do petróleo e pertence ao grupo dos polímeros (moléculas muito grandes, com características especiais e variadas) – é o uso não consciente dos diversos tipos de objetos de plástico. O caso mais emblemático, segundo Bahiense, é o das sacolas de supermercados. “Acabamos colocando mais de uma sacola para levar as compras, até porque ela é frágil e rasga à toa.” Isso porque, explicou o diretor da Plastivida, muitas dessas sacolas são produzidas fora da norma técnica, o que compromete o seu uso. “Uma sacola feita dentro dos padrões corretos suporta até seis quilos de produtos, mas não é o que ocorre”, lamentou. Fazer de forma adequada, comentou, evitaria o desperdício e garantiria o consumo consciente.

Por isso, ressaltou que a questão do uso do plástico está diretamente ligada à educação ambiental. “A Plastivida está comprometida em articular e ativar uma rede de cooperação que integre produção, consumo e pós-consumo nas cadeias onde o plástico está inserido.” O plástico, segundo ele, vira vilão na hora, principalmente, do descarte incorreto.

Para mostrar que o material não é a maior fonte de poluição do meio ambiente, Bahiense disse que apenas 4% do petróleo do mundo são utilizados para a produção do material.

Para ele, a sociedade não vive sem a aplicação do plástico. Ele está, relacionou, em embalagens as mais diversas, na infraestrutura, na construção civil, em eletroeletrônicos, na agricultura, no transporte, na medicina (bolsas de sangue e no coração artificial) etc.. Bahiense, que não consegue ver um mundo sem o plástico, defendeu o desenvolvimento da consciência no seu manuseio, dizendo que a Plastivida é adepta dos “3Rs”: Reduzir (o consumo), Reutilizar e Reciclar (mecânica, energética e química).

Aves da Mata Atlântica
A palestra seguinte foi com a bióloga Viviane Rodrigues Reis, da Agência Ambiental Pick-upau. Ela apresentou o projeto da organização criada em 1999 por ex-integrantes do Greenpeace. Ela informou que são mais de 130 parceiros, entre eles o Ministério do Meio Ambiente, a Petrobras e o banco Itaú. “Desenvolvemos diversas ações de pesquisa e educacional, entre elas os projetos Darwin e Refazenda.”

O Refazenda, explicou, tem entre seus principais objetivos a produção de mudas florestais, como forma de fomento da economia de comunidades tradicionais e o aumento da oferta de produtos florestais destinados à recuperação e ampliação da cobertura vegetal de biomas brasileiros. Já o Darwin tem como principais características conhecer e divulgar os atributos naturais e culturais dos Biomas Brasileiros, com ênfase na Floresta Atlântica Tropical, incluindo áreas particulares e Unidades de Conservação.

Outra importante ação do Pick-upau, segundo Reis, é o “Aves da Mata Atlântica” que já identificou duzentas espécies de aves durante suas expedições científicas e estuda o comportamento de espécies da avifauna. As espécies, explicou, foram registradas por fotografias, vídeos e gravações de vocalizações.

O “Aves da Mata Atlântica” realiza pesquisas nos municípios do litoral norte de São Paulo Bertioga, São Sebastião, Caraguatatuba e Ubatuba; além de ações de sensibilização socioambiental e produção e plantio de mudas de espécies nativas voltadas à conservação da avifauna.

Tragédia anunciada
O VIII EcoSP foi encerrado com um alerta às empresas para que tenham boas práticas ambientais sob pena de provocar tragédias e acidentes. Foi o caso da cidade de Mariana, em Minas Gerais, conforme expôs o vice-prefeito da cidade, Newton Geraldo Xavier Godoy. O município, com 300 anos e considerada histórica, hoje vive agruras econômicas e sociais em consequência do rompimento da barragem da mineradora Samarco, em 5 de novembro de 2015, que deixou 18 mortos, um desaparecido, 504 desabrigados, 308 desalojados. Foram afetadas diretamente mais de 2.800 pessoas; e indiretamente mais de 65 mil.

Os danos ambientais, informou Godoy, se estendeu a 663km de rios e córregos e a 1.469 hectares de vegetação. Os rejeitos da mineradora chegaram até a foz do Rio Doce, no encontro com o Oceano Atlântico, impactando, no percurso, diversos municípios nos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Em Minas, o rompimento da barragem afetou os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, em Mariana, e Gesteira, distrito de Barra Longa, município que também sofreu impacto em sua sede. No estado capixaba, as cidades afetadas foram Baixo Guandu, Colatina e Linhares, onde fica a foz do rio. Em sua exposição, Godoy disse que 32 milhões de m³ de rejeitos saíram da área de propriedade da Samarco.

Godoy informou que o estado mineiro tem 900 barragens de empresas mineradoras. A Samarco iniciou as atividades em Mariana em 1977, e, hoje, tem como donos a Vale e a australiana BHP Billiton. A dependência de Mariana com a atividade da empresa era quase total, como informou o vice-prefeito, chegando a quase 89% das atividades econômicas. “A arrecadação de impostos era de um milhão de reais por dia, totalizando mais de R$ 30 milhões mensais. Depois do acidente, essa arrecadação caiu para R$ 17 milhões”, lamentou.

O novo perfil econômico de Mariana trouxe muitos problemas e deixou “o povo sem esperança”, disse Godoy. “Nossa população é de 67 mil pessoas. Hoje temos 13 mil desempregados, desses, nove mil são dispensas relacionadas à paralisação da Samarco. A Prefeitura também está demitindo porque não tem como manter o seu efetivo. Isso tem reflexos nos serviços públicos oferecidos, desde saúde a educação.”

Tamanha dependência da Samarco foi criticada pelo vice-prefeito. “Éramos uma cidade-cigarra, e não formiga. Não nos desenvolvemos em outros setores. Por isso, tudo o que se fizer agora só terá resultado em médio e longo prazo.” Ao mesmo tempo, ele criticou a postura da mineradora: “A vontade de faturar e vender foi maior que a responsabilidade.”

Um terço dos rejeitos da mineradora caiu junto com a barragem do Fundão, aumentando a largura de rios e varrendo animais junto com a lama, que chegou a uma altura de até oito metros, descreveu Godoy. “Era um cenário de guerra.” O acidente, que aconteceu por volta das 16h, praticamente acabou com a zona rural de Bento Rodrigues. “O horário evitou que mais gente morresse, porque muitas pessoas ainda estavam no trabalho.”

Godoy disse, ainda, que faltou um plano de contingência adequado e eficaz. E mais uma vez lamentou: “Deveríamos ter tido uma segurança maior.” De acordo com o vice-prefeito, a vila não será reconstruída e pensa-se na construção de um memorial no local.

Godoy informou que foi criada a Fundação Renova cuja missão é a de implementar e gerir os programas de reparação, restauração e reconstrução das regiões impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão. Os programas, previstos no Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC), estão reunidos em duas principais frentes: socioambiental e socioeconômica. Estão previstos, conforme o vice-prefeito, recursos da ordem de R$ 20 bilhões nos próximos dez anos.

Ao final da exposição do vice-prefeito de Mariana, o presidente Murilo Pinheiro disse que a FNE pretende realizar, ainda este ano, um encontro da engenharia no município mineiro. “Precisamos provocar o governo federal a assumir suas responsabilidades com relação a esse desastre nacional. O nosso objetivo é ajudar a reconstruir Mariana e colocá-la de novo como uma cidade pujante.”

O VIII EcoSP foi realizado entre os dias 27 e 28 de abril, na sede do SEESP, na capital paulista.

Cobertura completa
EcoSP debate mineração e Aquífero da Amazônia
VIII EcoSP debate apicultura e ruídos urbanos
Encontro ambiental apresenta ações para garantir sustentabilidade nas cidades
Apoio ao movimento do dia 28 de abril no VIII EcoSP

 

Rosângela Ribeiro Gil
Comunicação Seesp

 

Leia também





Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.