Social media:   fb  twitter  yt  slideshare
 ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed
04/04/18

"Precisamos defender o que conquistamos”, disse Boaventura durante FSM

“Como foi possível um desmonte tão grande de tantas conquistas com pouca resistência?", indagou Boaventura de Sousa Santos durante a edição soteropolitana do Fórum Social Mundial (FSM).

Foto: Guilherme ImbassahyFoto: Guilherme Imbassahy

Repercutindo as atividades do Fórum Social Mundial, ocorrido em Salvador, Bahia, entre os dias 13 e 17 de março, a Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) divulgou uma série de matérias sober sua participação e a participação do Conselho Nacional de Saúde (CNS) no evento. 

A tenda do CNS montada na Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, para as atividades do FSM abriou um debate realizado na manhã do dia 14 de março, que atraiu muitos participantes.

“O SUS é nosso, ninguém tira da gente. Direito garantido não se compra não se vende”, gritava em coro a plenária do debate, que chegou ao consenso de que a ascensão do neoliberalismo no Brasil e no mundo tem prejudicado gravemente as políticas sociais, em especial, o Sistema Único de Saúde (SUS). “A singularidade do momento político nos faz estar juntos. A democracia está rompida. E não é um problema só no Brasil, é da democracia mundial. Diluem-se os conceitos de cidadania e soberania. Como imaginar SUS neste quadro? O direito do povo é a contramão do tsunami do capitalismo contemporâneo”, disse Jandira.

A deputada clamou a todos para que o momento político não faça com que os brasileiros e brasileiras percam a esperança e a força para resistir com amor, afeto e solidariedade. “Precisamos de um estado democrático e popular. Não vamos retomar o SUS se não tivermos um projeto nacional humano. Nós precisamos de um Estado que incorpore novas formas de fazer política, que movimente corações e mentes, que faça falar quem está em silêncio, que faça mover as pessoas a acreditarem novamente no Brasil”, afirmou.

O professor português Boaventura de Sousa Santos.  mostrou-se surpreso com a pouca mobilização da população brasileira diante dos recentes retrocessos. “Como foi possível um desmonte tão grande de tantas conquistas com pouca resistência? Estamos adormecidos por uma ilusão. Isso poderá ser fatal. O neoliberalismo quer destruir a democracia e as políticas sociais. Precisamos defender o que conquistamos”, disse, destacando que as empresas e o mercado estão dominando o poder público em detrimento da soberania nacional e da população. “Nossas armas são a igualdade, a compreensão, a liberdade, a cidadania e a unidade”, finalizou. O professor e a deputada também criticaram o fato de a tributação sobre as grandes fortunas ser pouca em relação aos impostos cobrados aos mais pobres.

O presidente do CNS, Ronald dos Santos, também presidente da Fenafar, afirmou que a participação do controle social brasileiro no FSM 2018 é histórica. “Num momento de instabilidade no Brasil e em várias partes do mundo, com diversas ameaças à democracia e às políticas sociais, a pauta ‘Resistir para Transmofar’ tem uma interface direta com a agenda da participação social e dos movimentos sociais”, afirmou.


Com informações da Fenafar





Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.