ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed              yt ico
14/03/14

Curiosidades sobre o ministério do Trabalho

João Guilherme Vargas Netto, consultor sindical

14032014-122324-rotatividade14032014-122324-rotatividade

Com o sucesso do seminário sobre a rotatividadepromovido pelo DIEESE e pelo ministério do Trabalho e Emprego passo a acreditar na possibilidade de recuperação do protagonismo ministerial em temas que interessem diretamente aos trabalhadores e ao movimento sindical.

Já estava na hora. Vamos contar história.

Com a atribuição de ministério do Trabalho, Indústria e Comércio o primeiro dos ministros, Lindolfo Collor, começou a exercer seu mandato em 26 de novembro de 1930. A ele sucederam outros 58 ministros, quatro interinos (inclusive uma única mulher, Dorothea Werneck e uma interina Sandra Starling).

Transformou-se em ministério do Trabalho e Previdência Social em 1960, voltou a ser apenas ministério do Trabalho em 1974, reincorporou a Previdência em 1990, transformou-se em um curto período em ministério do Trabalho e da Administração Federal até 1992, quando voltou a ser ministério do Trabalho e, finalmente, em 1999 passou a ser ministério do Trabalho e Emprego, como é até hoje.

Durante esses 84 anos exerceram o cargo 59 ministros sob as ordens de 24 presidências, o que dá menos de um ano e meio de mandato a cada um deles e mais de dois ministros por presidente; a rotatividade do cargo acompanha a rotatividade das presidências.

O ministro de mandato mais longo foi Murilo Macedo, de 15 de março de 1979 a 15 de março de 1985 (único ministro do presidente João Figueiredo) e o de menor duração foi Paulo Egydio Martins de 18 de julho de 1966 a 1° de agosto de 1966 (sob Castelo Branco).

Um único ministro do Trabalho, João Goulart, chegou a ser presidente da República e talvez tenha sido o mais poderoso ministro, sob Getúlio Vargas, que o demitiu em 1953 após uma grave crise militar. Mas vários chegaram a governos de Estados e a prefeituras.

A grande maioria sempre foi de bacharéis, mas houve alguns economistas como Walter Barelli, diretor do DIEESE (sob Itamar), um único militar de carreira (Jarbas Passarinho, sob Costa e Silva e Junta Militar) e cinco dirigentes sindicais: Antônio Rogério Magri (sob Collor) e Jaques Wagner, Sandra Starling, Ricardo Berzoini e Luiz Marinho (sob Lula).



+ Artigos

Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

AGENDA

11/12/2019
Dia do Engenheiro
 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.