ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed              yt ico
31/10/19

Artigo - O futuro tem um coração antigo

João Guilherme Vargas Netto*

O mundo das grandes montadoras de veículos (e da indústria automobilística em geral) acostumou-se, durante todo o século passado, a regular o mundo industrializado.

Os grandes fabricantes com seu gigantismo, além de criarem um padrão de sociabilidade, interferiram na organização dos trabalhadores (dentro e fora das fábricas com o fordismo) e foram contestados por poderosos sindicatos de trabalhadores, cujas bases reforçaram.

A história sindical do século passado não pode ser contada se não se levar em conta esta presença e a reação sindical a ela, principalmente depois da Segunda Guerra Mundial. O Brasil faz parte dessa história.

A malha industrial automobilística espalhou-se pelo mundo e as marcas se diversificaram. Hoje em dia, assiste-se a um enorme rearranjo estratégico, com financeirização crescente, com fusões e incorporações, com fechamento de fábricas e com criação de novas instalações. A resistência sindical dos trabalhadores tornou-se mais difícil até mesmo pela chantagem substitutiva provocada pelo rearranjo e pelas mudanças tecnológicas que “economizaram” empregos.

O fechamento da fábrica da Ford, em São Bernardo (que o governador Dória não conseguiu impedir), pode ser a marca simbólica do fim de uma era, mas inúmeros outros acontecimentos confirmam que a luta continua porque “o futuro tem um coração antigo” (Carlo Levi).

Nos EUA, dez anos atrás, a GM anunciou que ia fechar suas fábricas. A empresa foi salva pela “estatização” garantida pelo governo. Aqui no Brasil, recentemente, a GM também anunciou seu fechamento, que não se concretizou devido à própria reviravolta estratégica empresarial e pela resistência dos sindicatos brasileiros que contou com a solidariedade dos colegas norte-americanos e canadenses.

Ao longo de décadas a grande estratégia sindical norte americana para enfrentar as gigantescas empresas automobilísticas consistiu em se contrapor a cada uma delas por vez, em campanhas localizadas e orientadas. Esta estratégia garantiu agora resultados positivos para os trabalhadores da GM, sob o comando do UAW, sindicato nacional dos metalúrgicos das empresas automobilísticas. Na mais longa greve de sua história os trabalhadores e o UAW venceram as manobras divisionistas da empresa e conquistaram uma pauta de reivindicações muito expressiva, conservando os empregos.

Na secular história dessas lutas deve-se destacar o papel da solidariedade internacional entre os trabalhadores. Ela foi efetiva quando se lutava lá e quando se lutava aqui contra as mesmas empresas internacionalizadas.



*Consultor sindical



+ Artigos

Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

AGENDA

11/12/2019
Dia do Engenheiro
 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.