Social media:   fb  twitter  yt  slideshare
 ico mapa site Mapa do Site            ico rss Assine nosso Feed
feed-image RSS
02/05/17

Um 1º de Maio que não acabou

Greve geral e comemoração do Dia do Trabalhador foram iniciativas vitoriosas para para o sindicalismo brasileiro e contra as reformas. Categorias representadas pela CNTU aderiram à mobilização.

O tom dos sindicalistas sobre as celebrações do 1º de Maio e os protestos do último dia 28 foi de alertar o Congresso para não desafiar a vontade do povo, prosseguindo com as reformas. As centrais sindicais (CUT, CTB, CSB, UGT, Força Sindical e Nova Central) divulgaram um documento conjunto chamado "A greve do 28 de abril continua", em que prometem "ocupar Brasília". Durante o ato da Força Sindical, o presidente da central, deputado Paulinho da Força, dirigiu suas palavras ao presidente Michel Temer, do qual tem sido aliado desde o impeachment de Dilma Rousseff. "Se o governo não entender, vai ter mais", disse.

As mobilizações tem sido as maiores das últimas décadas - senão da história sindical brasileira, numericamente, mas seguem desconsideradas pelo governo e minimizadas em muitas coberturas da imprensa nacional, que dão destaque aos transtornos e interrupções de trânsito e não abordam as causas do movimento grevista. No dia 28, o bom jornalismo também fez greve e "não compareceu", escreveu com todas as letras a ombudsman da Folha de S. Paulo, Paula Cesarino Costa.

A história ensina

O diretor nacional de Articulação da CNTU, Allen Habert, lembra que o Brasil sempre precisou lutar muito por seus direitos e enfrentar esse tipo de resistência. Ele citou a greve geral de 19 e 20 de agosto de 1963, convocada pela CGT, para conquistar o 13º Salário. Na época, a imprensa também se colocava contra o movimento, como mostra uma edição do jornal O Globo em que a manchete garrafal assinalava ser "considerado desastroso para o País um 13º Mês de Salário".

Contra a campanha da mídia, na época, a greve foi vitoriosa e o projeto de lei foi aprovado e sancionado pelo presidente João Goulart. E como se sabe, o presidente foi depois deposto pelo golpe militar de 1964. O direito conquistado na greve, porém,  prevaleceu até hoje e ninguém ousou tocar nessa conquista.

Não dá pra retroceder

O movimento sindical se mantém unificado, com a participação de todas as centrais e entidades nacionais, na convocação e mobilização de suas bases. Na véspera da greve geral de 28, o presidente da CNTU, Murilo Pinheiro, anunciou em um evento do Seesp a mobilização das entidades. "A nossa confederação, os nossos sindicatos em todo o Brasil vão participar e mostrar a indignação com todas essas mudanças que ameaçam nosso trabalho e qualidade de vida”, declarou. 

No 1º de Maio, os dirigentes enfatizaram que não é possível retroceder nas mobilizações nacionais. Uma próxima greve, ou a convocatória para a realização da "maior marcha que a classe trabalhadora já fez" foi defendida pelo presidente da CUT, Vagner Freitas, em ato na Avenida Paulista. "Vamos ocupar Brasília integralmente e não permitir que haja votação que retire nossos direitos", avisou.

Congresso acuado

As pressões das ruas e as pesquisas divulgadas pelo Data Folha, apontando 71% contra as reformas, estão assustando os deputados, que correm o risco não retornarem aos seus postos nas pŕóximas eleições, caso não se rebelem contra a escalada de golpes contra os direitos da população. Com os congressistas negando o quórum mínimo de 308 votos para a aprovação da reforma da Previdência, Michel Temer cogita,segundo a imprensa, negociar o adiamento da votação por mais alguns dias, enquanto busca o convencimento. Para convencê-los, o governo tem falado abertamente em punições, e demissões de apadrinhados de parlamentares infiéis, e emendas para favorecer os que decidam apoiá-lo.

Em São Paulo, a realização de protestos na Avenida Paulista foi considerada uma vitória do movimento sindical contra o prefeito João Dória, que havia decidido proibi-los. Os trabalhadores não acataram o veto e recorreram à Justiça, que liberou a Avenida para as manifestações.

Rita Freire – Comunicação FNE

Leia também



+ Notícias

Comentários   

#1 clayton 04-05-2017 13:18
Eles (governo ilegítimo) vão acabar primeiro com os sindicatos e depois com o direito à greve...
Citar

Adicionar comentário

Ações

Uma iniciativa da CNTU em prol do desenvolvimento nacional e do bem-estar da população. São oito temas para ajudar a mudar o Brasil.

Saiba mais

Biblioteca CNTU

Um espaço para você encontrar facilmente informações organizadas em apresentações, artigos, legislações e publicações.

Saiba mais

 SDS Edifício Eldorado, sala 108 - Brasília/DF

Tel (61) 3225-2288

© Copyright 2015 - Confederação Nacional dos Trabalhadores
Liberais Universitários Regulamentados 
Fundada em 27 de dezembro de 2006.